Tag Archives: comédia

Guerreiro, esse lutador!

9 jul

Meus amigos.

Este post de hoje é um manifesto, uma carta de apoio a toda essa classe sofrida e batida nos campos de batalha da vida! Sim, estamos falando deste trabalhador da brutalidade, este maestro das armas, deste artista da carnificina!

O guerreiro!

Mas o que vem sendo feito dele atualmente? Vilipendiado, humilhado e tolhido por aquela classe elitista e pseudo-intelectual, os magos!

Esses inimigos do povo, sempre arrogando superioridade intelectual, fazem de tudo para que nosso companheiro dos machados e espadas perca sua real importância. Primeiro incentivaram histórias onde os magos, são a mola mestra das tramas, vejam só! Isso pode ser visto claramente em O Senhor dos Anéis, onde os magos são os responsáveis por tudo que acontece e resta apenas ao proletariado guerreiro reagir a todos esses desmandos. Persistindo em sua épica luta até aparecer outro mago e salvar o dia! Isso é uma clara tentativa do patriarcado mágico de fazer valer suas idéias, tentando incutir na cabeça do povo o conceito de que os magos são mais poderosos, e por isso, podem enfrentar o mal muito melhor do que guerreiros abrutalhados cheios de músculos!

Ele enfrenta o mal frente a frente. Sem intermediários. E o que ganha com isso?

Mas como, eu pergunto, como magos pensam que podem enfrentar o mal se eles sempre estão na retaguarda em todos os grupos, preparando calmamente suas magias, enquanto os guerreiros, esses trabalhadores, ficam na linha de frente tomando e distribuindo porrada? Poderia um mago resistir cinco minutos contra um troll se não tivesse um malfadado guerreiro ao seu lado segurando o bicho? Claro que não! Mesmo assim, eles ainda insistem em tentar nos passar a idéia de que são melhores!

Nos últimos anos, vendo que não tem tido o mesmo sucesso, resolveram enfiar na mente das crianças suas concepções de mundo. Tendo como garoto-propaganda um tal de Harry Potter eles querem convencer os jovens de que é legal ser mago. Pior! Agora eles deixaram as sutilezas de lado e passaram a chamar todos que não comungam de seu pensamento de “trouxas”! Isso é um absurdo! Quer dizer que só pelo fato de não gostar de sentar numa vassoura voadora, com todo duplo sentido que isso gera, o guerreiro ainda tem que aguentar ser chamado de trouxa? É uma falta de respeito sem tamanho!

Mas a lista não para por aí. Até nos videogames, reino onde os guerreiros reinavam absolutos estripando, decepando e causando todo tipo de hematomas, fraturas e concussões em seus inimigos, os magos já começam a querer invadir.  O primeiro movimento foi mostrando o quanto magos poderiam ajudar o guerreiro na aventura usando curas ou até magias que melhoravam sua defesa e ataque. Mas isso durou pouco, e hoje os magos usam de estratégias cada vez mais agressivas.

Isto, meus amigos, significa o fim da convivência pacífica.

Não tendo mais como resistir a esse avassalador ataque capitaneado pelas forças da magia, alguns guerreiros, temendo perder seu espaço, tentam absorver características dos magos. Daí nascem os paladinos e outros tantos híbridos que caminham nessa terra nebulosa entre não ser uma coisa nem oura. Angustiados com seu próprio ser…

É isto que os guerreiros querem? Ser um não-mago e um não-guerreiro. Uma criatura sem nome, honra, destino ou mesmo um inimigo para desmembrar? Não, mil vezes não! Os guerreiros não devem ceder! Sempre foi assim e sempre será!

Guerreiros de todos os mundos, uni-vos! Vocês não tem nada a perder a não ser os seus mágicos grilhões! O poder dos magos apenas reside em sua mente, não na realidade. O que pode fazer um mago quando a quota diária de poder se esvai ou acaba o MP? Nada! Eles ficam completamente indefesos! O que faz um guerreiro quando está exausto? Grita com toda a fúria e continua a batalha com mais vontade ainda! Os guerreiros não precisam dos magos, mas sim o contrário!

Unam-se, guerreiros, acabemos com a tirania arcana!

É isso que Arnold, nosso maior apoiador, tem para os magos!

Anúncios

Douglas Adams e seu guia das loucuras

29 jan

Dificilmente alguém vai conseguir escrever uma história de ficção científica tão engraçada quanto O Guia do Mochileiro das Galáxias. E se você não sabe nada desse livro aconselho a correr para livraria mais próxima e comprar a coleção toda. Ou enfiar a cabeça debaixo da terra, o que preferir.

Enfim, estava falando do Guia…

Bem, pode não ser a coisa mais engraçada ou mesmo a mais brilhante do mundo. Mas certamente é uma das séries mais legais que eu tenho lido ultimamente para compensar minha reclusão nas praias capixabas. Caramba, é um troço legal de ler! Ou você pensa que eu só vivo de escritores prêmio nobel e clássicos da literatura?

Pra falar a verdade, tenho lido cada vez menos essa gente clássica. Um exemplo é Conversa na Catedral de Mario Vargas Llossa. Eu até falei do livro aqui uma vez, mas devo dizer a vocês, o troço é um porre mortal. Prefiro ser empalado por um jumento do que ler essa benga de novo. Em compensação estou me preparando para reler O Senhor dos Anéis, volume único pela terceira vez logo depois que terminar os livros do Douglas Adams.

Sim, sou um nerd de Senhor dos Anéis e adoro a historinha do Frodo de queimar o anel na Montanha da Perdição(UI!).

Mas voltando ao assunto: Douglas Adams.

Eu não classificaria os livros dele como ficção científica, como muita gente faz. Pra mim são críticas sociais feitas em forma de piada, que é o melhor jeito de fazer critica social. Isso se você não é um militante nojento do PSTU que só sabe encher o saco dos outros não sabe o que é comédia. Aliás, você não saberia o que é vida e provavelmente só comeria aquelas militantes de cabelo no sovaco que mal tomam banho e querem posar de feministas… ARGH!!! Já vi muitas dessas no tempo da faculdade. Tipinhos asquerosos pra dizer a verdade.

Pois bem, depois de mais um digressão enorme voltemos à pauta. O legal no Guia, e também nos outros livros da série, é como os tipos mais malucos são colocados num universo totalmente biruta e isso tudo parecer algo coerente. Muito coerente, aliás. A não ser pelo Arthur Dent, que quase tem ataques de histeria por conta das locuras daquela turma.

Em tempo, Arthur Dent é um dos protagonistas da história. E esta começa em sua casa quando a mesma está prestes a ser demolida por razões imbecis. Pelas mesmas razões imbecis seu amigo, Ford Perfect, está muito preocupado pois sabe que essas razões farão o mundo explodir em exatos vinte minutos. Basicamente a história conta como Ford salvou Arthur da destruição e as enrascadas que eles se meteram no universo.

Falemos mais do senhor Arthur…

No meio das coisas completamente descabidas que os personagens dizem ao longo da história ele é o único que para e diz, “cacete, isso tudo não faz o menor sentido!”. Aliás, se você quiser ler a história prepare-se para não ver sentido em quase nada por ali. Até porque, na minha cabeça a idéia não é ser verossímel e sim engraçado.

Até porque, onde mais você encontraria um robô maníaco depressivo e um presidente de galáxia completamente pirado? Sim, esses personagens são de longe os mais engraçados pra mim.

Há alguns anos atrás fizeram uma adaptação do livro para cinemas. E digo que fui na estréia e ri muito. Só que na época eu nunca tinha lido o raio do livro em momento algum.

Aliás, minto, aluguei o vídeo meses depois… Ou não! Minha memória pra essas coisas é uma merda!

A verdade é que me diverti pra cacete com o filme. Não posso julgar as duas coisas, livro e filme, primeiro porque não me lembro muito bem do filme e segundo porque eu tenho uma preguiça enorme disso.

Mas tenho que admitir que Marvin continua sendo uma bola metálica depressiva e a Zooey Deschanel sempre será a Trillian por mais que me digam que os personagens não são assim. Foda-se, eu não ligo pra o que os outros pensam mesmo…

É isso que eu gostaria de dizer. Agora vou aproveitar a brisa marinha para uma noitada a beira mar. Quem sabe eu consiga alguma coisa hoje? Pelo menos um siri, quem sabe…