11 jan

Então, dando uma pausa nas minhas infindáveis leituras do Cracked.com (dá uma lida lá, é bem legal o site) vou tentar escrever um post nesta benga abandonada há meses. Logo, como não tenho lá muito assunto pra discutir agora, vou falar novamente sobre algo que gosto muito. Modos de contar histórias em videgames, ou melhor em RPGs!

Sim, desde Final Fantasy a The Elder Scrolls cada jogo tem um modo diferente ao seu público. Por exemplo, nosso amigos japas de FF gostam mais de histórias bem lineares com personagens definidos e enredo fechado. Não que isso seja uma regra de ouro, normalmente não é. Mas até agora nenhum Final Fantasy me permitiu simplesmente matar a porra de um dono de lojinha e roubar todo o estoque – embora roubar armas ruins e  potions não estejam nas melhores modalidades de loot… Tá, isso não é o que você pode dizer de super interatividade. Só porque você pode matar quase qualquer um em Skyrim não significa que o jogo deixe de ter uma linha para seguir se você quer ver o final daquela porra toda.

O que eu quero dizer é: mesmo com suas semelhaças, são duas formas de contar histórias diferentes. Olhe nosso amigo Dragonborn aí em cima. Fodão, badass, pronto pra arrancar a garganta de um dragão e mijar na cabeça dele no processo.

Ao passo que a maioria dos JRPGs trazem heróis assim:

Sim, eu quero aborrecê-los com isso.

A questão não é dizer qual é o melhor. Mas os modos como as coisas são feitas.

Não vou arrotar cultura sociológica que não tenho pra dizer como pensa um japonês (pra isso deixo os otakus) nem um norte americano, francês, tonguelês ou o diabo que seja. Só posso dizer que japoneses há algum tempo basearam seus modos de contar histórias em RPGs de videogame gradativamente ligados à cultura do mangá e do anime, que por lá deveria ser bem maior do que de videogames na época. Ocidentais preferiram continuar a repetir as regras dos bons e velhos RPGs de mesa em sua maior parte.

E como isso funciona no jogo em si?

Bem, como mídia mais baseada na cultura pop japonesa anterior a eles, tempos personagens que poderíamos encontrar em qualquer mangá nas bancas de lá. Infelizmente, ninguém até agora inventou de fazer um RPG nos moldes de Hokuto no Ken… Mas um jogo assim jamais conseguiria ser terminado, então parece que é melhor que não façam…

Voltando ao tema…

Como os japoneses focam muito em seu próprio mercado – sim, eles estão pouco se fodendo pra ocidentais – claro que eles fariam jogos com histórias mais ao gosto do seu público. Nisso temos um monte de jogos nos quais o protagonista é um garoto/jovem que perdeu família/amigos/o cachorro/a virgindade e sai pelo mundo numa busca por seu eu pessoal ou vingança, ou diversão mesmo – estou olhando pra você, Justin, seu retardado! No caminho pode, ou não, topar com organizações satânicas responsáveis por toda merda que aconteceu na sua vida ou que simplesmente querem esmerdear tudo sem nenhum motivo aparente até minutos antes da última batalha. Sendo que a última batalha é travada contra o super vilão mega poderoso que por alguma arte sinistra torna-se um semi-deus antes de ter sua bunda humilhantemente chutada pelos heróis. Ah! Tem sempre um super vilão doido pra foder a porra toda só porque é malzão ou deseja algum lucro que só ele entende.

Isso tudo temperado por horas e horas de grinding enlouquecido.

Acho que descrevi mais ou menos 90% de todas as histórias de RPG japonesas criadas até hoje. Salvo algumas variações mínimas, a coisa é bem aquilo mesmo.

Então vamos aos RPGs ocidentais!!!

Esses são mais simples. Só ver qualquer campanha de Dungeos n’ Dragons, Vampiro ou sei lá qual sistema de jogo de mesa tenha por aí. Certo, temos pérolas como Mass Effect ou Fallout para mostrar, mas a maior parte é composta por jogos medievais genéricos que só se diferenciam pela história ou mesmo gameplay. Ou personagens que pareçam capazes de arrancar a cabeça de um ogro com o dedo mindinho enquanto tomam um tonel de vinho…

“Então RPGs japoneses são superiores, seu retardado! Vá voltar a jogar Skyrim e pare de escrever merda.” Grita você para mim. Mas calma! Ainda não terminei e nem estou escrevendo isso pra dizer que um é melhor que o outro, embora existam jogos de ambos os lados que sejam grandes pilhas de merda fumegante, sobre as quais falarei amanhã ou outro dia qualquer.

Acho que é hora para chegar numa conclusão nesta merda.

Enquanto RPGs de mesa continuam mais ou menos intocados em suas influnências e influenciam também criadores ocidentais de RPG de videogame os japoneses decidiram ir por outro caminho. Nisso também passam as mecânicas de jogo. Mas esse não é meu problema, quero falar de histórias e não como bater num bicho usando ou não menus. Então, da próxima vez que falar de algum jogo do gênero por aqui, será baseado no que acabei de escrever e não na preferência de qualquer nerd à toa por aí. Logo, se você ama um lado e odeia o outro, por favor, vá a merda.

Brevemente, ou não, v0ltarei com mais coisas ou algo mais interessante.

3 Respostas to “”

  1. Discordius Erisianus 27/01/2012 às 0:19 #

    Então. Você é que devia ir se ferrar.
    Está me xingando por quê?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: